Blogger Template by Blogcrowds.

O Colégio Arnaldo, de Belo Horizonte, comemorou cem anos em 2012. Passei em frente outro dia, descendo a avenida Brasil, e fiquei admirando o prédio restaurado e imediatamente comentei com quem estava ao lado como era possível construirmos estes autênticos monumentos que resistem ao tempo há cem anos, e hoje (em 2013) temos um estádio como o Engenhão, no Rio, interditado apenas cinco anos após inaugurado.
O Colégio Arnaldo não é apenas um ícone de Belo Horizonte, e por onde andaram personalidades do livro como Carlos Drummond de Andrade e Guimarães Rosa. Marcou toda uma geração de belorizontinos. Foi ali naquela capela neogótica que eu ia à missa aos domingos, ainda de calças curtas, e foi onde mandamos celebrar em 1988 uma outra missa muito dolorosa para nós. Este livro aí ao lado "Colégio Arnaldo - uma escola nos trópicos", de José Maria Cançado (que também escreveu uma biografia do poeta Drummond), foi editado por C/Arte, e conta muitas histórias do velho Colégio, desde o seu início. Eu me lembro muito bem das que os amigos contavam naquela época sobre o padre "Coqueiro" (padre Guilherme Gross), um implacável disciplinador. Paulo Mendes Campos cita em um de seus poemas o "imenso dedo do padre Coqueiro".
O Colégio Arnaldo lá está, ocupando todo um quarteirão, oficialmente na praça Doutor Lucas Machado (a quem conheci pessoalmente, sempre impecável). Ao lado daquelas mangueiras, para mim centenárias, da avenida Carandaí.

Assine vececom para receber aviso de novas postagens em seu Email clicando aqui.

0 Comentários:

Fazer um Comentário



Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial