Blogger Template by Blogcrowds.

Uma vez sugeri à Camila, então procurando uma nova morada em Lisboa, que escolhesse alguma coisa na Rua das Janelas Verdes. Pode existir algo mais poético do que morar numa rua destas? Só comparável à pequena Rua Corcovado, aqui no bairro do Jardim Botânico, onde morou Marília, e em cuja esquina com Lopes Quintas nasceu Vinicius de Moraes.

"Sur le penchant de quelque agréable colline bien ombragée, j'aurais une petite maison rustique, une maison blanche avec des contrevents verts." (Jean-Jacques Rousseau)

Na Rua das Janelas Verdes fica o Museu Nacional da Arte Antiga, em palacete que pertenceu aos Távoras, aquela mesma família defenestrada pelo Marquês de Pombal depois da tentativa de assassinato do rei D. José I (quando voltava incógnito de um encontro amoroso justamente com uma Távora). Este belo edifício do século XVIII foi então levado a leilão e arrematado por ninguém mais nem menos do que o irmão do próprio Marquês de Pombal, que por sua vez acabou herdando a propriedade depois da morte daquele. O tempora o mores, já dizia Cícero.

Ele já foi conhecido como Palácio das Janelas Verdes, e nele residiu e faleceu D. Amélia, Imperatriz do Brasil, última esposa de D. Pedro I.

Agora, uma curiosidade que nos liga a este palacete. O lendário Irmão Lourenço, a quem se deve a devoção a Nossa Senhora Mãe dos Homens no Caraça, em Minas Gerais, seria - segundo a versão mais aceita atualmente - membro da família Távora que conseguiu escapar do braço forte do Marquês de Pombal, e que acabou refugiado no Arraial do Tejuco (a atual Diamantina), de onde partiu para fundar um Santuário e uma Irmandade no Caraça, precursores do famoso Colégio, onde tantos mineiros ilustres estudaram. O infortúnio dos Távoras é citado no livro Sabará 18, em nossa Livraria Virtual.

Na Rua das Janelas Verdes fica também um casarão, hoje transformado em hotel, que segundo dizem inspirou Eça de Queiroz para a criação do Ramalhete, onde moravam os Maias, bem próximo ao Museu, e descrito em detalhes ao início do romance. Quem for visitar Lisboa, não deixe de conhecer.

Recomendo a leitura: Balada do Mar Salgado - Roteiro da Lisboa Queirosiana
(17 de junho de 2014)


Receba as atualizações deste blog por email
Clique aqui para receber nossas atualizações

Esta postagem do blog também aparece, revista e ampliada, no livro abaixo (em nossa Livraria Virtual)



0 Comentários:

Fazer um Comentário



Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial