Blogger Template by Blogcrowds.

Algumas vezes acontece de algum livro de autor independente me cair nas mãos. Este me foi trazido por dona Maria Varandas, moradora do bairro do Jardim Botânico (Rio de Janeiro). Guiães, vila portuguesa pertencente ao concelho de Vila Real, em Trás-os-Montes, tem muitas histórias. Algumas muito antigas, da época dos romanos, outras do domínio espanhol, outras mais recentes do tempo da imigração para o Brasil. O autor João Pedro da Fonseca Timpeira, além de poeta, deu uma excelente contribuição para manter as tradições de sua terra. Recolheu histórias que passam por gerações, muitas envolvendo personagens conhecidos da Vila. Mostra pessoas simples, trabalhadoras do campo, religiosas e também crentes em superstições. Mostra o povo como ele é.
Guiães aparece em um dos meus livros preferidos de Eça (ganhei de presente de minha irmã quando tinha quinze anos). Está lá no A Cidade e as Serras. A terra do personagem José Fernandes.

Diz o autor Timpeira: "Desde o tempo de D. Maria II que já não se enterram os ricos na Igreja e os pobres no adro, é obrigação enterrá-los no cemitério..."
As igrejas coloniais em Minas também tinham este costume, encerrado por uma imposição sanitária. Meu antepassado Custódio José Dias foi sepultado na Igreja de Nossa Senhora das Dores de Alfenas. Em Sabará, a Irmandade do Carmo criou um cemitério exclusivo do outro lado da rua, e com isso encerrou este negócio de sepultar no piso da igreja.
Em outro ponto diz o autor: "Ninguém pode mudar as nossas aldeias, elas são o que são e está bem assim." Queria tanto que minha terra fosse a que foi, mas no Brasil há uma mania de mudar tudo.
Guiães é mesmo muito antiga. Recebeu foral em 1202, por ordem do rei D. Sancho I. Em 2011 possuía apenas 478 habitantes.
(16 de julho de 2017)

1 Comentário:

  1. Anônimo said...
    Preservar a Guiães Transmontana, a Sabará Mineira e as outras "Guiães" e "Sabarás" deste mundo, através da palavra escrita em livros, blogs ou pedra, ou simplesmente contando e passando histórias e estórias pelas gerações, é um dever moral que só eleva quem se importa. Quem se importa com as origens, episódios e cultura do contexto pois entende que estas ajudam a compreender melhor o presente, almejando assim a um melhor futuro. Obrigado aos que se importam. Obrigado aos que nao se cansam de contar e ouvir História e Estórias. A memória dos lugares e pessoas preservam-se assim, honrando-os.
    Ricardo Salada Caldeira

Fazer um Comentário



Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial