Blogger Template by Blogcrowds.


 Esse era o nome de um bar temático na Belo Horizonte do início dos anos 70. Ficava na Avenida do Contorno, em frente mais ou menos onde hoje fica o Life Center. Em terreno vazio, colocaram, não sei como, um vagão de trem destes tipo maria fumaça, espalharam mesas e cadeiras, e tome de cerveja. Essa era a época do início dos barzinhos, se não me engano. Na mesma Avenida do Contorno, só que agora no bairro de Santo Antônio, perto da Igreja, ficava o Maria Joana. Mais abaixo, ficava o Veia Poética, com livros que os frequentadores podiam ler deitados no chão e a caipirinha era servida numa arena de teatro. Lá perto da Praça da Liberdade, onde morou Afonso Arinos, ficava o Tom Chopim. A gente entrava por um violão pintado no muroNa Savassi havia o Garden, onde, nos fins de semana, uma turma de adolescentes enchia uma mesa, movidos a refrigerante, e de violão em punho, cantavam velhas músicas de seresta. E não posso me esquecer de citar o Largo do Baeta, onde meus convidados cariocas se espantaram ao ver um comensal levantar-se de sua mesa e dar um recital ao vivo. Eu fingi que aquilo era o normal em BH. Nessa mesma época havia em Porto Alegre o João Sebastião Bar, outro nome muito bem bolado. Eu, morador de Ipanema, acostumado, naquela época, com o Jangadeiro e tais, ficava encantado com essa criatividade. E ainda em Belo Horizonte, foi no Cá Luigi, na Avenida Cristóvão Colombo, que o Lu me levou um dia para tomar umas batidas na varanda do casarão antigo, oferta da casa, disse ele. E foi lá também que JM, no auge de seus vinte anos, espantou-se ao me ver pedir um vinho francês para acompanhar a massa do dia: Chateau Duvalier. Bons tempos.

(9 de agosto de 2020, em homenagem ao Professor Vieira, meu pai.)

3 Comentários:

  1. Clarissa said...
    Muito bom! Quem não tem mar se diverte em bar!
    Parabéns pelo dia dos pais!
    Angela said...
    Quem é você? Li um artigo seu falando das Fazendas do Sul de Minas especialmente de Machado. Você não falou da Caiana mas falou da Santa Fé que quando conheci era do tio Chico e que ele havia comprado da tia dele. Lembro das mangueiras da Santa Fé... bem, acho que somos primos... estou estudando mais sobre meus ancestrais, querendo conhecer mais a historia da familia... se puder entre em contacto comigo. Meu sobrenome de solteira é Vieira Guerra.
    vececo said...
    Oi Angela. Sou primo do Francisco, e sobrinho de Agripina. Neto da vovó Dorinha. Filho do professor José Vieira. Fui várias vezes à fazenda da Caiana.
    Meu email: vececo@vececom.com

Fazer um Comentário



Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial